Com menos de 1 ano de atuação no mercado, a MLSteel Blade participará pela primeira vez de um evento do setor na Flexo & Labels 2022.

O destaque fica por conta do produto inédito – produzido por poucas empresas no mundo e fabricado com tecnologia CNC/PLC unicamente pela MLSteel Blade no país – que são as lâminas raspadoras com rebaixo (lamella) também chamadas de autoafiantes ou lamella doctor blades para flexografia, rotogravura e offset.

“Por sua complexidade há poucos fabricantes no mundo desse tipo de produto com tecnologia de ponta e, no Brasil, somos os únicos. Participar de um evento como a Flexo & Labels será uma vitrine para mostrarmos ao mercado que no Brasil já são produzidas lâminas raspadoras autoafiantes, fabricadas com o mesmo aço sueco com que são produzidas as melhores marcas de lâminas no mundo, tendo a melhor relação custo/benefício. Tudo isto, mais suporte técnico qualificado e estoque para pronta entrega,  sem necessidade de usar continuar consumindo lâminas raspadora totalmente importadas e de elevado custo e, ao mesmo tempo, contar com um produto que tem, no mínimo,  todos os parâmetros de precisão e qualidade internacionais”, salienta Mario Lane Sinder, diretor da MLSteel Blade.

Sediada no Ipiranga, São Paulo, a empresa possui estrutura fabril própria e trabalhando com matéria-prima produzida pela Sandvik – Suécia, especial para a produção das lâminas raspadoras, nas espessuras de 0,15mm,  0,20mm e 0,25mm e em todas as larguras padrão ou especiais entre 20mm a 60mm. Apesar do pouco tempo de mercado, sua concepção foi construída com base nos mais de 40 anos de experiência de Mario Lane no segmento de metalurgia, relaminação a frio de produtos em aço-carbono e aço-inox.

“Com capacidade técnica, determinação e, acima de tudo, por acreditar que no Brasil poderia ser fabricado esta lâmina raspadora de alto rendimento e qualidade premium, a MLSteel Blade é um exemplo de sucesso que dia a dia vem conquistando maior participação em clientes do segmento gráfico e que imprimem seus produtos através dos processos de flexografia, rotogravura e offset”, complementa Mario.